• denuncias
  • peticionamento
  • Mediação
  • mov procedimentos
  • autenticidade de documentos
  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • liberdade sindical
  • meio ambiente
  • promocao igualdade
  • trabalho escravo
  • trabalho infantil
  • trabalho portuario
  • Não categorizado
  • Coronavírus: MPT-ES e MP-ES ingressam com ação na Justiça contra donos de supermercado e loja de roupa infantil de Cachoeiro de Itapemirim, após descumprirem normas
  • Retorno da atividades presenciais
  • Justia
  • WhatsApp Image 2020-03-19 at 15.20.28

  • WhatsApp Image 2020-05-28 at 17.54.37 1
  • atenção
  • NOVA-SEDE---BANNER
  • CERTIDÃO NEGATIVA DE PROCEDIMENTO E PROCESSOS EM TRÂMITE NO MPT-ES 2
  • WhatsApp Image 2017-09-15 at 13.30.34
  • ATENÇÃO: Confira aqui os canais de atendimento virtual e denúncias ao MPT-ES!
  • MPT-ES inicia retomada gradual das atividades presenciais em 5 de outubro
  • MPT reprova acordos trabalhistas que impõem prestação de serviços comunitários como forma de pagar dívidas processuais
  • Coronavírus: veja aqui as notas técnicas do MPT
  • A importância do Setembro Amarelo no ambiente laboral
  • Participe da campanha "Lixo que vira pão"
  • MPT-ES promove campanha “Trabalha e Confia” para a manutenção dos empregos na crise do novo Coronavírus
  • COVID-19: MPT-ES suspende atendimento presencial ao público a partir desta sexta-feira (20)
  • MPT-ES está no Facebook. Curta!
  • MPT-ES ganha novo endereço na Enseada do Suá
  • Saiba como solicitar sua certidão positiva ou negativa
  • Ouvidoria do Ministério Público do Trabalho lança aplicativo

Coronavírus: MPT-ES e MP-ES ingressam com ação na Justiça contra donos de supermercado e loja de roupa infantil de Cachoeiro de Itapemirim, após descumprirem normas

O casal está laborando sem proteção respiratória, impediu que os órgãos de vigilância epidemiológica realizassem testes nos empregados, arriscando a vida dos trabalhadores dos seus estabelecimentos, consumidores e moradores da vizinhança

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Cachoeiro de Itapemirim e o Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MP-ES) ingressaram com ação civil pública (ACP) na Justiça do Trabalho, nesta sexta-feira (19), em face do Supermercado Rodrigues e da loja de roupa infantil Bambini Kids, após receberem denúncia de que o casal proprietário dos estabelecimentos desrespeitava normas de saúde, segurança e higiene, pondo em risco, assim, os  trabalhadores dos estabelecimentos, consumidores e moradores da vizinhança.  As duas instituições solicitaram uma indenização de R$ 50 mil por danos morais coletivos, além da fixação de multa diária de R$ 500 por cada obrigação descumprida.

Segundo a ação, o proprietário do supermercado, Luiz Rangel Rodrigues, mantém empregados contaminados pelo vírus SARSCoV-2, causador da doença COVID-19, laborando normalmente, sem proteção respiratória, além de impedir que os órgãos de vigilância epidemiológica realizem testes nos empregados.

Consta nos autos, ainda, que a esposa do proprietário do supermercado, Fernanda Maria de Souza Lima, e ele estão contaminados por Covid-19. No entanto, o casal se recusa ao isolamento social e a usar máscaras. E a loja dela está funcionando normalmente, inclusive encaminhando "condicionais" para a casa de clientes.

As irregularidades trabalhistas vão além. A proprietária da loja Bambini Kids também compartilha máscara com sua empregada doméstica quando determina a saída da residência para cumprir alguma ordem. Em decorrência disso, diversos moradores do entorno do estabelecimento, testados pela Secretaria de Saúde, confirmaram contaminação pelo vírus da Covid-19.

Ofício - Segundo documento enviado pela Secretaria Municipal de Saúde de Cachoeiro de Itapemirim (Semus), “a equipe de monitoramento da Covid-19 da Vigilância Epidemiológica procedeu às orientações e às devidas medidas sanitárias, no entanto, o senhor Luiz Rangel Rodrigues e a senhora Fernanda Maria de Souza Lima não estão cumprindo o isolamento social e cumprindo com suas atividades laborais”, informou.

Cumprimento das normas de segurança- Em virtude da gravidade dos fatos, o MPT-ES e o MP-ES requerem, na Justiça do Trabalho, uma série de medidas, entre as quais estão: a concessão da tutela de urgência de natureza antecipada, sem oitiva da parte contrária, para condenar provisoriamente os réus nas seguintes obrigações de fazer e/ou não fazer, sob pena de multa cominatória de R$ 5 mil por dia de descumprimento, bem como interdição imediata dos estabelecimentos em que funcionam o supermercado e a loja de roupas infantil, suspendendo-se todas as atividades dos seus empregados e eventuais trabalhadores terceirizados, até que laudo técnico, com Anotação de Responsabilidade Técnica (ART)  garanta a segurança de sua utilização em relação a riscos de contaminação pelo vírus SARSCoV-2.

Além disso, os dois órgãos ministeriais solicitam a desinfecção dos estabelecimentos por profissionais especializados para eliminação do vírus, conforme os protocolos dos órgãos de saúde e vigilância sanitária; o afastamento imediato, sem prejuízo da remuneração, de todos os empregados dos dois estabelecimentos, assim como da emprega doméstica; e a realização, às suas expensas, de testagem para identificação da Covid-19 em todos os trabalhadores, observadas as condições adequadas de coleta, transporte, armazenamento e processamento de amostras, conforme determinações da vigilância epidemiológica do Município de Cachoeiro de Itapemirim/ES.

Multa e indenização - A multa deverá ser revertida para projetos sociais de entidades públicas e/ou privadas sem fins lucrativos localizadas na área territorial abrangida pela 2ª Vara do Trabalho de Cachoeiro de Itapemirim, a qual processa e julga a presente ação.
Já a indenização à coletividade por dano moral coletivo, no valor de R$ 50 mil, será destinada a entidades públicas e privadas sem fins lucrativos, também situadas na área de abrangência da Procuradoria do Trabalho no Município (PTM) de  Cachoeiro de Itapemirim, a serem indicadas pelo MPT e homologadas por esse Juízo por ocasião de eventual execução.

Processo distribuído à Justiça do Trabalho com o número 0000707-63.2020.5.17.0132.

Para acessar a petição inicial da ACP, clique aqui

Imprimir

  • administracao publica
  • fraudes trabalhistas
  • meio ambiente
  • trabalho escravo
  • trabalho portuario
  • liberdade sindical
  • promocao igualdade
  • trabalho infantil
  • banner corrupcao
  • banner abnt
  • banner mptambiental
  • banner transparencia
  • banner radio
  • banner trabalholegal
  • MPT em Quadrinhos
  • banner pcdlegal
  • Portal de Direitos Coletivos